Eu,eu mesma e eu!

TODO MUNDO TEM O SEU CANTINHO

 

Certamente todo mundo tem

O seu cantinho predileto

O espaço sagrado que vai além

Quando ninguém está por perto

Todo mundo tem o seu cantinho

No seu ser de si a mais interiorizada sentição

Pondo a alma a nu ali de si sozinho

Estando no céu entregue em íntima proporção

Todo mundo tem o seu incenso

Seu lado remanso a céu aberto

Todos precisam de infinito silêncio

Como uma voz que clama no deserto

Todo mundo tem mesmo no terreal

O seu lado sentidor a estar consigo

Descansando a vida em purgação espiritual

Ao lado de um anjo da guarda amigo

Num lugar assim nada se diz, o silêncio fala

A voz do silêncio é dantesca quase infinital

A tristice no fermento em decantação cala

Você mesmo a sós mas em triste caos total

Como o seu travesseiro seguro amigo é

E ainda ótimo recanto e conselheiro

Tenho um cantinho todo meu em Itararé

Para a alma alada ali abrir um berreiro

Porque na casa da mãe Eugênia o meu espírito é

Epifania, genuflexório e confessor

Ali me sinto dentro do meu próprio coração até

E lavo-me de torrencial e magno amor

A vida tem limbo, horror, mas tem seda, algodão e linho

Onde nos escondemos de nós quando precisamos chorar

Nos damos ali como seres humanos – cada um de si sozinho

Porque em paz conosco mesmo havemos de nos encontrar

Silas Correa Leite